quinta-feira, 27 de junho de 2013

Tudo mundo espera que o Lula fale das manifestações. Ou da seleção, tanto faz

Lula foi muito melhor como presidente do que como ex-presidente. Bom mesmo ele era quando fazia o papel de sindicalista, mas isso já faz tempo. Na ex-presidência, Lula parece uma dessas mulheres balzaquianas que, lá pelos 35 anos, resolve "realizar o sonho" de entrar de branco na igreja.  Tão cafona quanto uma mulher velha vestida de branco no altar só o Lula como ex-presidente. É tanta emoção que não sabe o que fazer. Tudo é festa.

Se ele tivesse uma ocupação anterior à vida política, Lula iria exercê-la. Seria professor, empresário ou qualquer coisa. Lula deveria ter aprendido algo com seu colega Olívio Dutra que se aposentou e trabalhou até o último dia no Banrisul. Profissão: bancário. Ninguém fica esperando do Olívio uma opinião sobre o atual estado de baderna no qual o país se meteu, incluindo nem Porto Alegre, cidade que administrou no estado que administrou.

O Lula todo mundo quer ouvir falar. Arrisco que o pronunciamento do Lula é mais aguardado que o da senhora presidenta em pessoa. Ela já foi a TV e surpreender com seus absurdos. Não aprendeu nada. Deveria ter falado as mesmas obviedades de sempre. Aposto que ela não é óbvia para não competir com o companheiro Lula. Competir em obviedades com o Lula é fracasso na certa. Muito provavelmente, ele será perguntado sobre os protestos que varrem o país e dará um palpite sobre a escalação do Felipão. Isso que dá ficar desocupado depois que vai embora da presidência.

Ok. Ok. Foi criado Instituto Lulante. Lula é hoje o palestrante mais bem pago do Brasil. Ele não cobra caro porque sua palestra vale muito dinheiro. Cobra caro para as palestras não se intensificarem. Seria um desespero ter que atender a demanda de palestras como se isso fosse um trabalho. Lula teria que fazer greve contra o próprio instituto, seria estranho. Agora, como colunista do NYT, o mundo aguarda a palavra de Lula sobre o incêndio que ele ajudou a causar, mas está desocupado demais para conseguir apagar. Nesse momento em que ninguém entende nada do que está acontecendo há dois tipos de idiotas: aqueles que tentam fazer uma 'leitura' do problema e se mostram os maiores analfabetos da nação e outros, como eu, que têm saudades do Lula. Com duas ou três obviedades, Lula não resolveria nada, no entanto, tornaria tudo muito mais divertido.

Um comentário:

Isabela Carvalho Santos disse...

Também não apareceu no NY Times onde falaram q ia começar a escrever em junho. Uns americanos explicaram q não é no jornal The NY Times, nem para o site do NY Times, é para a agência Times, outro veículo de comunicação para clientes internacionais. Ainda assim reforçaram que o texto é todo revisado. Ufa! Lula paga alguém pra escrever e a agência reescreve. Agora vai dar certo! lol Esta semana foi para a África fazer caridade com o chapéu alheio, digo ampliar as relações internacionais.