quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Febre amarela: o discurso mudou

Everton Maciel

Na sexta-feira da semana passa, entrevistei o secretário de saúde do Estado, Osmar Terra. O ex-prefeito de Santa Rosa garantiu que não faltariam vacinas contra a febre amarela, especialmente na região Noroeste, que é considerada uma área de risco, pela proximidade com os pequenos municípios e áreas com matas.

Pois, agora faltou vacina e, conseqüentemente, o discurso mudou.

A Secretaria de Saúde do Estado inverteu o tom da conversa quando observou que faltariam, sim, vacinas nos postos de saúde do Rio Grande do Sul. Foi o que aconteceu em Santa Rosa e outras cidades consideradas “zonas de risco”.

Depois de quatro dias com os estoques zerados, hoje pela manhã, a Fundação Municipal de Saúde de Santa Rosa voltou a receber as vacinas da Fundação Oswaldo Cruz. O material foi encaminhado pelo governo do Estado.

Mesmo assim, o único posto de saúde que faz a vacina é o Posto Central.

Senhor secretário Osmar Terra, agora que a população está preocupada, não adianta mudar o tom conversa! O senhor é um médico conceituado e sabe muito bem que esse caso é técnico. Se antes todos deveriam se vacinar, agora o critério deve ser o mesmo! Que história é essa de que só as pessoas que viajarão às regiões da Zona da Mata, que abrange o centro e o norte do Brasil, devem buscar os postos?!

Ou a febre amarela preocupa, ou não! A população não pode ser feita de boba!

Um comentário:

não viaja disse...

de médico e louco todo mundo tem um pouco... kkk