terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Antes e depois da cerveja

Júnior Grings

O telefone tocava profundamente, levantei ainda bêbado da noite anterior, cambalhotando até conseguir chegar até aquele pequeno aparelho, que pelo barulho que expelia parecia ser gigantesco. Mesmo sem ter a mínima noção do que a pessoa do outro lado falava tive a certeza que era engano. Esbravejei, depois de desligar o telefone. Não tinha certeza se estava realmente acordado, o banheiro parecia estar a quilômetros da sala, lavei o rosto, ficando intermináveis segundos com a cabeça na pia, quando finalmente ergui o rosto fitando-me pelo espelho, vi o quanto estava acabado.

Procurei algum motivo para ficar acordado, mas a vergonha me censurava de uma maneira inexplicável, tentei sem sucesso descobrir que horas eram, não conseguia me concentrar em nada, difamei o caminhão de cervejas que tinha ingerido na noite anterior, voltei a ritmo de funeral para o meu quarto, me joguei na cama apenas tirando a força das minhas pernas. Caí pensando em dormir até tudo isso passar.

Rolava na cama, tentando vencer o sino que habitava minha cabeça, estava em um lugar estranho, não tinha forças para ficar acordado, muito menos tranqüilidade física para dormir. Essa sensação me tirava do mundo, toda vez fixava minha mente em algo, um barulho escandaloso me estremecia todo, era minha cabeça avisando das minhas impossibilidades naquele momento.

Olhei para a carteira de cigarros jogadas no chão do quarto, aquilo me fez segurar boa parte das cervejas na garganta, fui me arrastando novamente para o banheiro, abri o chuveiro e deixei a água bater na minha cabeça, passando pelo meu corpo. Nesse momento percebi que estava com a roupa do dia anterior ainda, consegui tirar a roupa, mesmo sem forças e com ela molhada grudando no meu corpo. Depois de alguns minutos no chuveiro, saí ainda molhado e me joguei sem roupas no sofá. Adormeci logo.

Acordei, assustado com o telefone, corri para atender, do outro lado um amigo querendo saber se eu demoraria muito para passar na casa dele para irmos pescar. Claro a pescaria como pude esquecer, nesse momento percebi que estava nu, desliguei o telefone, pedindo mais alguns minutos. Fui até o banheiro, vi a roupa molhada, não entendi muito o porquê. Todavia estava atrasado, me lavei, fui ao quarto para me vestir, peguei algo para comer na geladeira, vejo uma cerveja me olhando sorridente, não vejo mal algum. Pego o material de pesca, e algumas cervejas e saio.

4 comentários:

não viaja disse...

esse blog virou 'memória de minhas putas tristes'?

Júnior Grings disse...

É janeiro meu amigo. É janeiro.

não viaja disse...

e daí?

Juliana disse...

Mto bom...
Digamos, bem a tua cara!