segunda-feira, 1 de julho de 2013

A maioria dos psicólogos é tão golpista quanto o Marco Feliciano, mas ninguém fala nada

Essa idiotice de 'cura gay' ganhou manchetes graças ao oportunismos histórico das pessoas ligadas à área da própria psicologia. Marco Feliciano e sua corja da bancada evangélica são só a ponta mais escandalosa de uma mentira muito mais profunda. Ninguém toca nessa mentira, porque todo mundo tem um amigo que se diz psicólogo. É uma mentira tão velha e repetida que já se tornou verdade. Vendeu-se, durante as últimas décadas, a ideia de que a psicologia é uma ciência que pode "curar", "tratar", "ajudar" ou qualquer outro verbo que queira colocar aí. Tratam a psicologia como se fosse ligada à área da saúde. No entanto, a psicologia é uma ramificação da filosofia da mente experimental. Um galho rebelde e incompreensível do empirismo filosófico. Em um ambiente onde se estuda filosofia de uma forma séria, a pior ofensa que pode ser praticada a um argumento é dizer que ele "recai em um problema metafísico". A segunda pior ofensa é acusar o argumento de "psicológico". Significa dizer que o filósofo está percorrendo um lugar tão obscuro que precisa de muita boa vontade de quem o ouve para ser compreendido.

O assunto da psicologia clínica é espinhoso, apenas, porque os psicólogos se organizaram em um grupo que julga ser muito seleto: montaram seus conselhos, aprovam suas resoluções e apostam na ignorância dos populares quando se afirmam responsáveis por melhoras significativas na vida das pessoas. Nada que um bom par de ouvidos amigo resolveria, sem maiores problemas. Nesse momento onde profissionalizamos as maiores idiotices, nada mais justo do que profissionalizar nossos sentimentos.

A psicologia faz sentido, sim, do ponto de vista analítico. Serve, sim, para atestar anomalias comportamentais. Apenas, é uma pilantragem pressupor uma psicologia do ponto de vista clínico. Ninguém fala isso por medo e bom samaritanismo.

Discutir "cura gay" é uma idiotice do ponto de vista jurídico: o Congresso Nacional não tem competência para deliberar sobre resoluções científicas de conselhos profissionais.

Discutir "cura gay" é um absurdo do ponto de vista científico: a psicologia não é algo disposto no roll das ciências da saúde, como a psiquiatria. E quem disser o contrário é ignorante ou mal-intencionado.

Psicologia clínica, terapia holística, filosofia clínica, terapia ocupacional são fachadas para o oportunismo e o charlatanismo barato. Essas coisas só são levadas a sério por pessoas fracas da cabeça, justamente o público que os golpistas querem atingir.

Por que os psicólogos discordam de mim? Burrice? Não. Oportunismo. Eles apenas notaram, há bastante tempo, que a área de humanas é menos rentável que a área da saúde, buscaram espaço em "outros mercados" e foram recebidos. Logo, preferem, fazer algo que se assemelha a psicanalise. Para ser psicanalista, não é preciso ser bacharel em psicobobia. Mas eles acham que sim. No Brasil, há cursos formando pilantras "psicanalistas" nos quatro cantos. Basta procurar.

2 comentários:

Jose Carlos disse...

amigo
onde estão as fontes de suas afirmações.
embora reconheça que psicologia não seja ciencia busco fatos e estudos sobre isto!

Anônimo disse...

Concordo plenamente com o autor do texto. Psicologia NÃO é uma ciência !
Não deveria haver advertência explicita sobre o mal que um(a) psicólogo(a) pode fazer ao seu bolso. É um mercado fascinora de ombros "amigos".
E antes que alguém com dificuldade de compreensão da vida me questione, não preciso justificar nada a ninguém.