quarta-feira, 27 de abril de 2011

Dia internacional do sexo oral

Li em alguns sites a referência de que hoje é o "dia internacional do sexo oral". Achei bizonho, mas é sempre uma boa oportunidade de comentar assuntos polêmicos. No blog do Alex Castro, vi um uma pequena diferenciação entre a cultura americana e brasileira a respeito do sexo oral praticado pelas mulheres e apelidado de "boquete". O que não encontrei foi um texto falando do sexo oral praticado pelos homens, nas mulheres. Por isso resolvi escrever. Afinal, é dia do sexo oral e não do boquete. Sejamos justos.

O princípio é simples: cada um faz o que quer, com quem aceitar e a cumplicidade só faz as coisas melhorarem. O que se altera são os desdobramentos desse princípio liberal. Em geral - e generalidades não são regras -, há uma ideia machista "pró-boquete", mas que esquece de exercitar a via contrária: o sexo oral nas mulheres. Se eu estiver certo, veremos que o sexo oral praticado pelo homem na mulher não é justamente uma "via contrária", mas é a mesma prática.

Odeio condenações prévias. O puritanismo mitigado do nosso tempo patológico e nosso país machista e neurótico é cheio de condenações prévias. No caso do sexo oral, para ambas as modalidades, a higiene é a primeira condenação prévia, anterior inclusive às questões realmente relevantes como as DST's, por exemplo.

Com relação às questões higiênicas, é preciso observar a significativa e positiva mudança no comportamento feminino, nas últimas décadas. Especialmente no que diz respeito a depilação íntima. Viva a popularização das lâminas de barbear!

É preciso lembrar ainda a infinidade de sabonetes criados pela gloriosa indústria farmacêutica para contribuir com a saúde das mulheres e a felicidade dos homens - minha pelo menos.

Dentro desse contexto, a tradicional desculpa envolvendo a higiene perde totalmente seu efeito. Resta o grupo daqueles homens afrescalhados que subordinam seus órgãos sexuais a sua boca. Resumindo: é como se o pau pudesse transitar por terrenos pelos quais a boca não poderia. Estupidez pura. Não vejo nenhum motivo razoável para dizer que meu órgão sexual merece menos atenção higiênica que minha boca. Simples assim. Se essa desculpa esfarrapada fizesse sentido, eu jamais poderia aceitar um boquete. E os adeptos dessa ideia ridícula não estão prontos para recusar o agrado, quando deveriam! Lógico! Se levo menos em consideração a higiene das minhas partes baixas, nunca poderia pensar em submeter uma mulher a encarar de frente tal situação. Nem com a boca, nem com a vagina, nem com a mão.

Cheguei a pensar em fazer um blog só para falar desses tabus malucos que infestam a civilização mal formada nesse início de século. Mas vou publicar - sem periodicidade - coisas do tipo por aqui mesmo. Não tenho compromisso com esse blog e não devo ter com nenhum outro também. Compromisso só com quem assina folha de pagamento. O restante: foda-se! Melhor: lamba-se! E aproveitem o dia internacional do sexo oral.

Um comentário:

Jessica disse...

Não acredito que perdi essa data =/
Que bela jornalista serei, ñ...super informada...Perdi a oportunidade de festejar com um lambe-lambe...;)