domingo, 6 de junho de 2010

Upando comentário

Achei apropriado subir para o corpo do Capeta esse comentário. Mais de uma vez fui acusado de sonegar a participação de pessoas que discordam da opinião do nosso blog. Não é bem assim. Quando a educação mínima é mantida, costumo publicar opiniões que trafegam na contramão da nossa. Eis o exemplo daquilo dito pela estudante de Comunicação Social e Letras Liciane Brun:

"Olá. Dia desses parei nesse blog e fuçei.. bastante! Confesso que comecei a ler mais ainda quando li algumas opiniões tuas acerca do Jornalismo, e o tal empasse da obrigatoriedade - ou não - do diploma pra exercício da profissão. Sei bem que blogs são espaços completamente democráticos, por isso escreves o q escreves, e aqui tb posso explanar minha opinião sobre o q li. Discordo em muitos - muitos!- pontos, a começar pela tua descrição: gostaria que me apontasse apenas UM jornal que seja o MAIS procurado e o MAIS lido(como disseste), e que NÃO tenha um redator ou editor-chefe, formado, no Brasil. Depois de tudo que li, te faço uma pergunta, Everton... se gostas tanto de praticar o Jornalismo ( e pelo que vi, gostas), por que não escolheste te aperfeiçoar nessa área, em vez de seguir a Filosofia? Pode ser uma pergunta intrometida, mas tiraria minha dúvida sobre esse "quase recalque" de alguém que defende tanto a não obrigatoriedade do diploma, gosta TANTO da área e ainda assim não segue. Lembro aqui da frase que tu mesmo transcreveste em um texto de Marcelo Soares... "o melhor jeito de se aperfeiçoar como jornalista é estudando jornalismo". Então, simples... se gosta tanto, faça. não serão necessariamente as faculdades que te aperfeiçoarão, mas tu vais te aperfeiçoar com elas, certamente. Abraço"

Vai minha resposta

Esse é sim um espaço que pode ser julgado como democrático. Citei textos do professor Marcelo e outros que não concordam com ele. Defendemos a não obrigatoriedade do diploma desde muito antes do caso ir parar no STF. A linha de apoio do que usamos, tentando fazer uma descrição daquilo que pensamos ser um jornalista, não foi elaborada na semana passada para alguma reunião de faculdade. É um trecho do jornal A Reforma, de Poa, datado em 1870. Já citamos o texto completo mais de uma vezes e omitimos a fonte original na linha de apoio por questões de simplicidade. Quanto a pergunta que fazes, "por que estudo filosofia?", a resposta é mais simples: estudo para não fazer esse tipo de pergunta. Estudo, porque pratico um tipo de jornalismo que me permite isso. Edito áudio, vídeo, texto e não vou desaprender a fazer isso estudando filosofia. Quando vivermos num país sério - eis um golpe de esperança, ao menos - as graduações em CS deixarão de serem levadas em consideração e o jornalismo será feito de humanidade: filosofias, letras, histórias, pessoas.

Um comentário:

Anatolio Pereverzieff disse...

Upando...
Gostei de ler e interpretar um pouco dos escritos acima.
O exercício da democracia é um dos melhores bens, inalienáveis aos humanos e aos animais. O direito de ir e vir é uma das coisas belas e naturais, hoje quase em desuso pela acomodação das pessoas que se dizem pensantes...!!!
Forma-se uma pseudo elite cultural neste País que dá pena só de falar ou escrever. Nossos estudantes - a maioria - não sabe ler e escrever.
Pergunte quais os livros que leram ultimamente e aí virão evasivas respostas.
Acredito que o blog do capeta exerce o direito da livre expressão.
Eu, por exemplo, jamais perguntaria a uma pessoa porque deixou de fazer isto ou aquilo e porque optou pela aquisição de mais cultura, seja filosofia seja matemática, etc.