sábado, 16 de maio de 2009

Deputado e jornalista batem boca. Adivinha quem perde? Você!

“Esses R$ 4,5 mil são migalhas perto do que vocês, da imprensa, levam do dinheiro do povo todo mês para fazer publicidade”, bradou o deputado Sérgio Moraes (PTB-RS), referindo-se à verba parlamentar destinada ao custeio de combustível. Como todos sabem, Moraes era o relator do caso Edmar Moreira, o cara do castelo, mas foi afastado. Moraes é aquele que disse estar se "lixando para a opinião pública". Lembrou? Pois é...

A senteça que cita a grana-preta que vai para o bolso das rádios e TVs foi feita aos gritos em entrevista - no pior estilo bate-boca - com o apresentador da Rádio Globo Roberto Canázio. Aqui está a entrevista completa.

Dá para tirar uma conclusão fácil depois de ouvir a entrevista: Moreira e Canázio é uma bela dupla de desequilibrados.

Não preciso nem dizer que quando a Petrobrás mete dinheiro no bolso de emissoras de rádio e TV, concessões públicas - e isso é importante! –, tem um monte de gente surfando na nossa cara. Trata-se de um verdadeiro atentado ao dinheiro público. Detalhe: a Petrobras sequer tem concorrência no mercado de petróleo brasileiro. Pra que publicidade?

Mesmo assim, Sérgio Moraes tem muitas coisas para explicar, e isso não muda.

Um comentário:

Michel disse...

Entrevista Lamentável.
Exemplo de anti-jornalismo completo. Aliás, por causa das críticas recebidas por isso, Roberto Canázio alardeou em 21 de maio de 2009, no programa "Se Liga, Brasil", que é radialista e não jornalista e que não liga para as críticas (tb. tá se lixando?). Com essa conduta ridícula realmente não poderia ser jornalista e envergonha a classe dos radialistas. Disse que não tem compromisso com a verdade e a isenção dos fatos (está no audiolog da Rádio Globo), que seu programa é para expressar a sua opinião. Ora, então virou uma tribuna particular do seu ponto-de-vista. O que isto tem a ver com a
linha ética das Organizações Globo? Nada!
Não conheço outro programa de rádio ou televisão, ou colunas de jornais das Organizações Globo, em tempo algum, que não tenham o mais estrito compromisso com a verdade dos fatos. Aquilo não foi uma entrevista em busca de elementos para compor um retrato fiel do que aconteceu mas uma Santa Inquisição "a La Datena" ou "a La
Afanasio Jazadji". Quando o deputado começou a ponderar que o caso do "Castelo" nada tinha a ver com o processo contra o deputado Edmar Moreira e que o "Castelo" foi adquirido anos antes do "Réu" ser parlamentar, este dito radialista o interrompeu e começou a ser arcástico, "destrambelhando" a entrevista. E, depois de encerrado, disse que não queria ter realizado aquela entrevista. Ora, se ele é tão machão e
independente assim, por quê o fez? Não sou, em hipótese alguma, a favor da declaração do deputado Sérgio Moraes, nem mesmo o conheço. Mas não é a primeira vez que este elemento destrata seus entrevistados. Que eu saiba, ele é um radialista e não um magistrado, devidamente habilitado a proferir sentenças. Atenção direção da GLOBO!
UM PERFEITO BOÇAL!
UMA VERDADEIRA VERGONHA PARA AS ORGANIZAÇÕES GLOBO.