quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Polícia investiga morte de cão em Santa Cruz

Everton Maciel, de Pelotas

Confesso que rolou água nos olhos quando li isso no Correio do Povo de hoje. Mas... "ando tão a flor da pele que até beijo de novela me faz chorar", como diz o Zeca Baleiro.

Texto Correio do Povo.
Foto: Igor Müller, especial/CP

A morte de um vira-lata de três meses, ocorrida em Santa Cruz do Sul, chocou a população do município do Vale do Rio Pardo e agora está sob investigação da Polícia Civil a pedido do Ministério Público Estadual. Tobi teria sido esgoelado e agredido a socos pelo próprio dono no meio da rua e com crianças como testemunhas, quatro dias depois de ficar 11 horas preso dentro de um bueiro no bairro Cohab, na zona Norte da cidade.

Chovia forte no começo da tarde do dia 27 de julho, um domingo, quando o filhote teria escorregado na calçada e sido arrastado pela água para dentro de um bueiro. O animal ficou a cerca de 2 metros de profundidade até as 23h daquele dia, quando foi resgatado pelo Corpo de Bombeiros. Os integrantes da corporação utilizaram até um desencarcerador para salvar o animal e foram aplaudidos pelos moradores que estavam desde cedo acompanhando o acidente.

Um menino de 5 anos que presenciou as agressões ao animal ficou em estado de choque. Vizinhos da rua Vereador Adroaldo Campos relatam que o dono teria enrolado o filhote já morto em um blusão e o deixado dentro de uma lixeira por mais de 24 horas, até ser recolhido pelo caminhão do lixo.

O dono de Tobi reconheceu o erro e pediu perdão à comunidade. 'Eu atirei o cachorro no chão e aí ele acabou quebrando o pescoço', alegou. Ele afirmou que estava em tratamento para depressão. A promotora de Defesa Comunitária de Santa Cruz, Roberta Brenner de Moraes, já pediu que a Polícia Civil investigue o caso. A pena para quem maltrata animais é de detenção de três meses a um ano, mais multa. Em caso de morte, a pena é aumentada de um terço a um sexto.

2 comentários:

Anônimo disse...

Olá! Sou moradora do Bairro Cohab, não somente estou chocada com o fato, como quero que o dono de Tobi, seje punido como realmente deve. Todos os jornais comentam que não sabem aonde o dono está, mas a maioria da população do bairro sabe, porém tem medo de falar, pois se o dono de Tobi fez isso com o pobre cachorro, imagina o que não é capaz de fazer com uma pessoa! Como isto aqui, é anonimo, não vejo o porque de não dizer aonde ele está! Ele está morando em uma pensão na Rua Afonso Bartz, só não sei dizer o número da residência, isso tem que ter um fim, temos que fazer justiça, ao pobre Tobi, que teve um final tão trájico!

Blog do Capeta disse...

Pessoalmente, não tinha ainda a informação de que o acusado de ter matado esse cãozinho estava "desaparecido", como a senhora afirma no seu depoimento aqui no Capeta. Veja: até o julgamento esse homem, apesar de ter confessado o crime, deve ser tratado como "acusado", por mais que seja confesso.
Tenho certeza que ele responderá o processo movido pelo Ministério Público de qualquer jeito. O poder judiciário saberá encontrá-lo.