segunda-feira, 5 de maio de 2008

Antes tarde do que nunca

Everton Maciel, de Pelotas

Bati muito nesse tema, mas perdi o fôlego, há alguns meses. Que bom que, finalmente, a pauta foi parar nas mãos da chamada "grande imprensa".

A educação superior, nesse país de aluguel, acabou se tornando mais uma mercadoria barata na prateleira do boteco. Isso acontece como resultado de um sistema educacional projetado para não funcionar.

Ontem à noite, o programa Fantástico, da Rede Globo, trouxe uma matéria que pode acrescentar algo significativo à sociedade.

O assunto já foi muito explorado aqui no Capeta, inclusive com pautas criticando o sistema de Ensino Superior a Distância, entre outras coisas. Determinadas universidades e faculdades podem até ter valor legal, mas não têm valor moral nenhum! São falcatruas puras, que apenas servem como fonte de renda para administradores e professores baratos.

O teste do Fantástico era muito simples: 21 alunos do ensino fundamental, com idades entre 9 e 11 anos, fizeram o vestibular da Unigranrio, uma universidade fuleira com sede no Rio de Janeiro. Uma comissão do vestibular da Universidade Federal Fluminense corrigiu as provas.

O resultado do vestibular simulado: muitos “candidatos”, claro, passariam.

O resultado do sistema educacional brasileiro: continuamos chamando esse galinheiro de país.

Acompanhe a matéria do Fantástico:

Um comentário:

Fernando disse...

Quem sabe esta é a solução para quem não consegue entrar numa faculdade... O Governo teria que somente liberar bolsas. Não precisaria de cotas ou outros artifícios.