quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

O meu Natal lado B

Júnior Grings

Faz tempo que o natal perdeu o encanto, mas esse ano ele foi especial. O dia 24 começou turbulento, mais uma vez meu coração pregou uma de suas peripécias. Essas histórias de dor de cotovelo, coisas que acontecem. Ainda estava desnorteado, andando meio perdido pelas ruas da minha pequena cidade, observando a ansiedade e a alegria alheia, quando uma amiga, gritando meu nome, de longe, se aproxima. Suas palavras foram incisivas: “Júnior sei das tuas descrenças, mas eu preciso te falar. Sonhei as últimas duas noites contigo. No sonho tu sofrias um acidente. Cuidado quando sair de carro.”

Isso me abalou. Pode-se dizer que me abalou profundamente. Caminhei mais algumas quadras em estado de choque. Um martelo assombrava meus pensamentos. Os dois acontecimentos daquela tarde estavam selando minha noite de natal. Cheguei na casa de um amigo. Lá, sem querer, formou-se uma reunião. Estávamos reunidos, brindando o natal, antes de cada um ir para junto de sua família. Cerveja e risadas. Rolou até um joguinho de truco.

Quando levantei para ir embora, senti que estava leve. Não, não era a cerveja. Fui até minha casa contagiado por um sentimento estranho. À noite, saí com meus pais. Passamos a ceia na casa da noiva do meu irmão. Nada em especial.

Depois saí de carro para descontrair. Acabei encontrando alguns amigos em um bar. Fiquei até ao amanhecer sentando conversando besteiras e futilidades. Quando entrei no carro para andar as poucas quadras até minha casa, antes de ligar, percebi o quanto foi bom meu natal. Apesar das únicas coisas dignas de atenção terem sido ruins. Percebi que a simplicidade das coisas boas falaram por si só.

Um comentário:

everton maciel disse...

aqui jaz o blog do capeta para a aberura da série 'confições de um adolescente'... haha