quinta-feira, 15 de fevereiro de 2007

Destino ou Coincidência?

Quase em ritmo carnavalesco, venho dar minha pequena contribuição aqui no blog. Confesso que os dois primeiros assuntos que eu pensei para essa semana, foram abordados, e muito bem, pelos amigos Everton e Jonas. Entretanto, esse fato me proporcionou uma idéia interessante. Como sempre, me fiz uma pergunta, seria isso o acaso, uma mera coincidência ou prova do destino?
Procurei conversar com algumas pessoas nessas últimas horas sobre o assunto, e quase todas elas apontaram o destino como evidente. Parecia até uma heresia falar contra o destino. Todavia, quando eu as indagava, dizendo que se existe destino, tudo já está programado para acontecer, então não nos cabe mais nada além de esperar. Foi em unanimidade que me diziam que somos nós que fizemos nosso próprio destino. Notem o peso que essa frase toma. “Nós fizemos nosso próprio destino”.
Essa frase realmente mexeu comigo. Talvez seja devido a minha absurda ignorância, que não me permite ver uma coisa tão obvia. Mas, quando penso na palavra destino, algumas coisas me ocorrem instantaneamente. Destino, para mim é destinado por. Para algo, ou alguém destinar, precisa ter poder sobre. Com o poder sobre, onde fica a liberdade?
Não podemos fazer o nosso destino, se é que ele existe. Não somos dotamos de poderes sobrenaturais para isso. Cabe a nós apenas viver nossa vida, os fatos acontecem corriqueiramente de forma natural. A única interferência que sofremos vem das relações sociais. Relações que mesclam culturas, e indivíduos que na sua convivência geram fatos curiosos, que parecem estar escritos para acontecer. Todavia, não passam de mera coincidência.
Júnior Grings

3 comentários:

Jonas Diogo disse...

Como Cristão não acredito em destino, pois se alguém tem poder esse aguém é Deus, e segundo o evengelho e nos deu a liberdade como prova de amor. Sendo assim o que há é consequencia das ações das pessoas. Quem pensa que há destino geralemente tem e idéia de que o mundo gira au redor dele e por isso não considera as movimentações "alheias".

Anônimo disse...

hm, nunca tinha pensado dessa maneira... eu acreditava em destino

aurea disse...

Não acredito em destino... ninguém meche os pauzinhos. A vontade e obstinação de alguém tem grandes poderes na menor das possibilidades. Mas e aquelas coisas que acntecem na hora certa e de tao perfeitas nunca poderia ter sequer passado pela cabeça da gente? aí se é coicidência eu já não sei..
bjos